Blog

Nossa Memória

50 Anos da Igreja Adventista do Sétimo Dia

Publicado em: 23/10/2018 por Domingos Cezar

Extensa programação desde sexta-feira, 19, até a última segunda-feira, 22, marcou os 50 anos de Adventismo em Imperatriz. Durante todas as noites o templo central, na Rua Amazonas, Centro, lotou de fiéis, autoridades e demais convidados.

A história da Igreja Adventista na cidade, começa em 1967, quando o Brasil vivia dias conturbados pela implantação recente do regime militar no País. Aqui chegaram os colportores Francisco e Carlos Ferreira, chefiados pelo assistente de colportagem Francisco Ubirajara.

O trabalho de colportagem na Igreja Adventista do Sétimo Dia consiste em vender livros editados pela Casa Publicadora Brasileira, editora da própria instituição. Obras de gêneros diversos, quer seja de profecia, ou de evangelização destacando autores como Ellen G. White.

Em 1968 os colportores adventistas continuavam com sua missão evangelizadora através dos livros e sentiram a necessidade de fundar um ponto de pregação na cidade que se desenvolvia a cada ano, baseada na economia do arroz, do babaçu e também da pecuária.

Na batalha diária de colportagem pelas ruas de Imperatriz, Carlos Ferreira e Francisco Ubirajara encontraram-se com dois senhores, os quais demonstraram interesse pela mensagem do advento: Olavo Fernandes de Lima e Pedro Fernandes de Sousa.

Neste mesmo ano, já com a semente da igreja lançada em área fértil, chega a Imperatriz o obreiro pioneiro José Ponciano de Lima, que com muito denodo e sacrifício, sem medir esforços, dedicou-se ao evangelismo atraindo muitas pessoas à mensagem de esperança e salvação.

No período, um grupo de adventistas recebe visita do pastor geral da União Norte Brasileira, João Wolf, para uma semana de evangelismo, elevando assim o número de interessados pela verdade, dos quais alguns continuam até aos dias de hoje, a exemplo de Maria dos Anjos Oliveira.

Portanto, a primeira celebração oficial aconteceu em uma pequenina igreja de madeira, no dia 22 de outubro de 1968. Tempos depois, ao ser transferido o obreiro José Ponciano Dias de Lima chega a esta cidade o Pastor Emmanuel de Jesus Saraiva, que passou o grupo para a igreja organizada.

Nossa Memória

Apaixone-se por Imperatriz